11 de setO ataque terrorista aos EUA

por Sidney Canto

Dia 11 de setembro

Blog do Jeso - selo históriaNa Amazônia
1898 – Em reunião do congresso do Partido Republicano no Pará, presidido pelo senador Antonio José de Lemos, é escolhido como candidato do partido para vice-governador do Estado Gentil Augusto de Moraes Bittencourt.

No Brasil
1865 – Em virtude da Guerra do Paraguai, o imperador Dom Pedro II, juntamente com os generais Mitre e Flores (presidentes da Argentina e Uruguai), fazem visita ao acampamento das tropas, em Uruguaiana.

No Mundo
2001 – Os EUA sofrem o mais pesado ataque terrorista de sua história. Aviões comerciais são sequestrados e lançados contra as “Torres Gêmeas” do World Trade Center, em Nova Iorque, e contra o Pentágono, em Washington. Um quarto avião cai em um campo aberto, na Pensilvânia. Dois nomes passam a ser mundialmente conhecidos: Al-Qaeda e Osama bin Laden.

Leia também:
Mendonça Furtado “entrega” jesuítas a Pombal.
Nasce a Coreia do Norte.
Pedro I proclama a independência do país.
Governador separatista renuncia no RN.
“Setembro Negro” sangra as Olimpíadas.
Nascimento do escritor Tenreiro Aranha.
Há 70 anos, nascia o cacique Mário Juruna.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

11 Comentários em: 12 anos do 11/9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Antonio Silva disse:

    por RAUL LONGO

    Não,
    eu não estava
    em 11 de Setembro.

    Não poderia estar
    porque era um natimorto
    acéfalo em Hiroshima.
    Esfacelado por sua bomba
    em Nagasaki.

    Não estava
    em 11 de Setembro
    porque era uma menina
    navaja,
    comanche, sioux, apache.
    Menina estuprada por seus soldados
    de olhos e casacos azuis.

    Sinto muito,
    mas em 11 de setembro
    os abutres se alimentavam
    de minha carne pouca
    em Ruanda, ou qualquer
    cidade de Etiópia,
    Serra Leoa e Angola,
    para saciar sua sede de ouro
    e diamante.

    Exatamente
    em outro 11 de setembro
    minhas mãos eram decepadas
    num espetáculo macabro
    de um estádio em Santiago do Chile.
    E minha democracia morria
    sob seu bombardeio.

    Em 11 de setembro
    eu era o alvo fácil
    de um fuzil sérvio
    que você fabricou.

    Era um menino
    com a pele queimada
    por seu napalm no Vietnam.

    Talvez não acredite,
    mas em 11 de Setembro,
    eu era mais um camponês
    assassinado por Trujilo,
    Stroesner, Somoza, Banzer…
    Ou qualquer outro de seus mercenários.

    Infelizmente em 11 de Setembro
    eu me prostituía
    nas Filipinas,
    Tailândia, Havana
    ou qualquer praia.
    Pelos cassinos,
    assistindo aos seus jogos
    de destinos.

    Por isso
    não poderia estar
    em 11 de setembro,
    e também por que a bota
    de um soldado de Israel
    esmagava a dignidade
    de meu pai palestino.

    Talvez não seja uma
    razão bem forte,
    mas naquele momento
    de um 11 de Setembro
    havia uma descarga elétrica em minha genitália
    numa sessão de tortura de seus carrascos
    do Rio de Janeiro,
    Buenos Aires ou Montevidéu.

    Sei que nada justifica
    minha ausência em 11 de Setembro,
    mas não sei como
    se justifica sua onipresença
    em tantos outros setembros.

    E é por isso,
    somente por isso
    e algumas coisas mais,
    que não pude estar em 11 de Setembro.
    Justamente em 11 de Setembro.

    Talvez não acredite,
    sei que não vai acreditar,
    mas confesso que desejei
    ver a história mudar
    como você disse que aconteceria.
    Mas a verdade é que ela se repete
    em todos os dias, meses e anos
    de um único setembro.

    Em todo o mundo
    um sempre mesmo setembro
    me violentando.
    Como refugiado afegão,
    faminto do Gabão,
    soterrado
    nos escombros de Bagdá,
    torturado em Guantánamo.

    Todos os dias, durante todos os meses
    a cada ano
    de um só setembro…

    Por isso é preciso que desde já
    você entenda que não poderei estar
    em outro 11 de Setembro.

    Talvez também não
    em outro 11 de Setembro.

    Talvez nunca, enquanto
    um 11 de Setembro
    não mudar
    esse sempre mesmo fato
    de todos os setembros,
    todos os dias
    e momentos
    do mundo.

    Se acontecer, por favor,
    entenda as razões
    dessa ausência
    em 11 de Setembro.

    Talvez não aconteça,
    espero que aconteça.
    Não quero que aconteça.

    Mas mesmo sem
    uma desculpa convincente,
    peço antecipado
    que me perdoe por não estar,
    não chorar em 11 de Setembro.

    Não em 11 de Setembro.

    1. Jorge Bastos disse:

      Os regimes comunistas são bem mais humanitários:

      A introdução, a cargo do editor Stéphane Courtois, declara que “…os regimes comunistas tornaram o crime em massa uma forma de governo”. Usando estimativas não oficiais, apresenta um total de mortes que chega aos 94 milhões. A estatística do número de mortes dado por Courtois é a seguinte:

      20 milhões na União Soviética
      65 milhões na República Popular da China
      1 milhão no Vietname
      2 milhões na Coreia do norte
      2 milhões no Camboja
      1 milhão nos Estados Comunistas do Leste Europeu
      150 mil na América Latina
      1,7 milhões na África
      1,5 milhões no Afeganistão
      10 000 mortes “resultantes das acções do movimento internacional comunista e de partidos comunistas fora do poder” (página 4).

      1. marcosomag disse:

        Que risível, o seu comentário. Os comunistas salvaram milhões da fome, da exploração e do desespero. Tanto em seus países com naqueles nos quais a burguesia, por medo do bom exemplo dos comunistas tiveram que implantar reformas sociais que deram direitos aos trabalhadores. O capitalismo mata de fome, sede, doenças, desamparo milhares de pessoas todos os dias. Mata o futuro de milhões de pessoas que não desenvolvem seus potenciais devido não ter acesso a saúde, emprego e educação de qualidade.

    2. Zé da Lamparina disse:

      O poema é bonito, mas… será uma justificativa para a morte de mais de 3.000 pessoas?
      Ou seja, só porque os americanos e outras potências cometeram e cometem tantas atrocidades pelo mundo, isso significa que alguém pode fazer atentados terroristas e matar inocentes?
      Se um paraguaio resolver cometer um atentado contra o Brasil para vingar a derrota esmagadora na Guerra da Tríplice Aliança, estará tudo certo?
      E se um uruguaio quiser compensar os anos de ocupação do Brasil na Cisplatina e a guerra de libertação?

  • Antonio disse:

    Em compensação, se buscarmos cuidadosamente, constataremos que em todos os dias do ano, em época diversas, os EUA praticaram algum ato terrorista pelo mundo afora, seja direta ou indiretamente. Se foram vítimas em um dia do ano, estão com um saldo de 364.

    Afinal, praticar terrorismo em suas mais variadas formas faz parte da cultura, da economia e da política desse país.

  • 09751 disse:

    Acho uma grande chatice lembrar todo ano o 09/11 ou 11 de setembro. Outras tragédias e catástrofes piores que esta já aconteceram e não ganharam ou ganham esse foco todos os anos. Só dois exemplos: os massacres que os americanos fizeram no Vietnã e o Massacre de Nanquim.

  • FRANCISCO DAS CHAGAS SILVA disse:

    GENTE,

    OS YANKES ESTÃO PRECISANDO DE OUTRA LIÇÃO DESSA PARA PARAREM COM ESSAS GRACINHAS DE QUEREM SER OS JUÍZES DO MUNDO.

    ESSE NEGUINHO, OBAMA. TEM QUE PARAR DE BISBILHOTAR A VIDA DE TODO MUNDO..
    DEPOIS, DEPOIS FICAM CHORANDO OS MORTOS E LAMBENDO AS FERIDAS…

    CHAGUINHA

    1. João de Deus disse:

      Francisco, “esse neguinho” não é um termo preconceituoso, ou você desonhece as Leis? Não esqueça que, atualmente, em todo o nosso país, dentro das repartições, redes sociais, etc, tem bisbilhoteiros. Quando não, boateiros e defensores ferrenhos de princípios não muito republicanos.

  • Tiberio Alloggio disse:

    A Maior “ENCENAÇÃO” do Seculo XXI

    Uma “Obra Prima” dos Serviços Secretos Americanos

    Rendeu o Petróleo do Iraque e o controle militar americano na região estratégica do Afeganistão, entre o Oriente Médio e a Asia..

    Agora que da torneira voltou a gotejar…

    Lá vem mais uma estreia da “produção” hollywoodiana: As “armas químicas” da Síria, com Barack Obama no papel de Denzel Washington.

    Tiberio Alloggio

    1. Juniclei Miranda disse:

      Muito infeliz sua declaracao. Vc fala isso porque nao sentiu ou viveu essa experiencia.

    2. J. Black disse:

      Mas afinal, quem eram ou quem são os terroristas na verdade???