Polícia liga naufrágio de Ana Karoline III a aluguel de R$ 20 mil, dívidas e ganância
Ana Karoline III foi ao fundo por excesso de carga

No pedido de prisão de Paulo Márcio Simões Queiroz, apontado como responsável pela naufrágio do navio Anna Karoline III, com mais de 80 pessoas a bordo, a Polícia Civil do Amapá relatou que o comandante vivia sob pressão de dívidas de quase R$ 1 milhão e do aluguel do navio.

Para driblar essa situação, ele não teria hesitado em navegar com mais de 70 toneladas de carga acima do limite do navio, colocando em risco a vida dos passageiros e tripulantes.

 

34 pessoas morreram no naufrágio; 8 estão desaparecidas e 51 conseguiram sobreviver. Paulo Márcio Queiroz foi preso nesta quinta-feira (26), por ordem da Justiça em Santana (AP), a pedido da Polícia Civil.

“A tragédia foi anunciada. Tripulantes e passageiros, antes da saída da embarcação, já previam o pior, por isso vídeos que mostram do excesso de carga da embarcação e água entrando no convés principal foram produzidos”, escreveu o delegado Victor Crispim Milagre, de Santana (AP), no inquérito que subsidiou a prisão do comandante do Anna Karoline III.

O Blog do Jeso teve acesso ao documento.

“O Sr. Paulo Márcio colocou quase que o dobro de carga acima do limite permitido no navio Anna Karolinne III, porque estava precisando sanar dívidas com credores, além de ter que pagar um valor mensal pelo aluguel do navio”, detalhou o delegado.

“Até mesmo na área de lazer do navio, onde é proibido o acondicionamento de carga, Paulo Márcio colocou mercadoria, conforme declarações prestadas de passageiros e tripulantes”.

Aluguel e dívidas

O Anna Karoline III pertence ao empresário Erlon Rocha. Que arrendou o navio para Paulo Márcio por R$ 20 mil/mês, com contrato assinado no dia 1º de dezembro de 2019 e término previsto para novembro deste ano.

Antes, em novembro de 2019, já Paulo Márcio já havia sofrido um pesado baque financeiro. A balsa que ele havia alugado — São Francisco de Assis — foi avariada por um incêndio. 60 passageiros estavam a bordo. Todos escaparam ilesos. Mas a carga, avaliada em quase R$ 1 milhão, se perdeu.

“Devido ao incêndio, o Sr. Paulo Márcio ficou com dívida quase milionária com fornecedores, pois todas as mercadorias que estavam sendo transportadas pela embarcação São Francisco de Assis se perderam na sua totalidade”, revelou o delegado amapaense no inquérito.

Balsa São Francisco de Assis ardendo em fogo

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

4 Comentários em: Polícia liga naufrágio do Ana Karoline III a aluguel de R$ 20 mil, dívidas e ganância

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Cleodoberto colares batista disse:

    E a Marinha instituicao responsavel pela fiscalizacao nao viu a condicao do navio para fazer a viagem.. Tem sua parcela de culpa numa tragedia dessa. Acho que nao e so o dono com seus problemas e ganancia o culpafo.

    1. Marivaldo Cavalcante disse:

      Concordo com vc.

  • Rosa Cardoso disse:

    Perdi meu filho, nora e neta de sete anos. Perdi metade da minha vida né crime. Quero os culpados na cadeia .

  • jorge moraes disse:

    é a prova que o raio cai duas vezes no mesmo lugar !