Assassinato impune e o clamor em Tucuruí pelo fim do mandato de Artur Brito

por Diógenes Brandão, do blog As Falas da Polis

A poucos dias de completar dois anos e dois meses do assassinato de Jones Willian, na época prefeito de Tucuruí, que foi morto a tiros no dia 25 de julho de 2017, quando fiscalizava uma obra de tapa-buracos na estrada do aeroporto, ainda paira sobre a cidade o clima de insegurança, injustiça e descaso.

Isso porque, depois do assassinato de Jones Willian, várias pessoas, com algum tipo de  ligação com o caso, foram assassinadas, inclusive o pistoleiro Bruno Venâncio, que morreu no dia 11 de abril de 2018 em uma rebelião no Centro de Recuperação Penitenciária do Pará III, no Complexo de Santa Izabel, onde estava preso.

 

Como se não bastasse, Artur de Jesus Brito, que era vice prefeito e assumiu o cargo após a morte do titular da vaga, o vereador Lucas Michel Silva Brito, irmão do atual prefeito, e a mãe deles, Josenilde Silva Brito, que durante as investigações chegou a ser presa, além do chefe de Gabinete, Wilson Wischansky,  foram todos denunciados como  suspeitos de terem  planejado o crime.

Hoje, todos são réus no processo de assassinato de Jones Willian, juntamente outras pessoas indiciadas, com a conclusão do inquérito.

Artifícios para protelar

Os familiares e amigos do prefeito morto reclamam da morosidade na conclusão do caso. O vereador Weber Galvão, irmão do prefeito assassinado, afirma que Artur Brito tem usado de  todos os artifícios para protelar o resultado do processo e se manter no cargo.

”Já foram aplicadas a eles medidas cautelares e, gastando muito dinheiro, conseguiu derrubar a decisão do juiz. Agora, tenta em todas as instâncias anular as provas que existem contra eles no processo, e deixar de ser réu, alegando foro privilegiado”, afirma o vereador.

Com tantos fatos obscuros, não é pra menos que Tucuruí viva hoje uma situação de instabilidade política e econômica.

O comércio está enfraquecido, com as lojas fechando as portas, o funcionalismo público com os salários atrasados, servidores municipais sendo demitidos, direitos sendo retirados de várias categorias.

Recentemente aconteceram grandes manifestações na cidade, em protesto aos atos do prefeito que prejudicava os funcionários.

 

Como se não bastasse, falta merenda nas escolas, falta  transporte para os alunos, os médicos estão pedindo desligamento dos cargos por não receberem salários atrasados e nas unidades de saúde não têm remédios, ou quando tem, estão vencidos — como foi amplamente divulgado recentemente nas redes sociais e veículos de comunicação de todo o Pará, um caso grave de distribuição de remédios vencidos, ocorrido na Saúde pública de Tucuruí.

Mesmo com uma administração em colapso total, tudo indica que o atual prefeito tenha pretensões políticas para as próximas eleições,  e já declarou guerra aos dois pré-candidatos que lideram as pesquisas no município: Alexandre Siqueira e Jairo Holanda.

Uso de fake news

Uma espécie de  jogada ensaiada é articulada através de um grupo que produz e espalha fake news, que segundo alguns moradores da cidade, que preferem não se identificar, pois temem represálias, recebem dinheiro ilegalmente da prefeitura para atacar o empresário Alexandre Siqueira, e quem mais se apresentar como oposição à atual gestão, enquanto um outro grupo persegue Jairo Holanda. Servidor público concursado, estão tentando, inclusive, invalidar seu concurso.

Ao consultarmos quem mora em Tucuruí, percebemos um desejo coletivo de que os responsáveis pela morte do prefeito Jones Willian paguem pelo crime. E mais: sonham com o fim do mandato do atual gestor, que pra eles representa retrocesso, abandono e insegurança.


— LEIA também: Ex-secretário de Segurança do Rio vai comandar projeto no Pará de R$ 102 milhões

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *