Rei do açaí irrigado e réu na Madeira Limpa, Eloy Vaccaro morre nos EUA
Eloy Vaccaro: Rei do Açaí, com fazenda no oeste do Pará. Foto: Reprodução

O empresário Eloy Luiz Vaccaro, um dos réus na Madeira Limpa, rei do açaí irrigado e sócio da fábrica Açaí Amazonas Indústria e Comércio Ltda, com sede em Óbidos (PA), morreu em Orlando, estado da Flórida (EUA), onde também tinha casa e costumava ficar grande parte do ano.

Vaccaro faleceu na sexta-feira (27).

Ele chegou a ser preso na operação Madeira Limpa, deflagrada em 2015 pelo MPF (Ministério Público Federal) e executada pela PF (Polícia Federal). Depois, foi solto, quando passou a responder as acusações de participar de uma organização criminosa que fraudou o sistema de controle ambiental para esquentar madeira extraída ilegalmente de assentamentos de reforma agrária no oeste do Pará.

— SOBRE a operação, leia também: Juiz libera empresário réu da Madeira Limpa para nova viagem aos EUA

A empresa de Vaccaro, uma das maiores de açaí irrigado do mundo, também foi alvo da MPF. Teve seus bens bloqueados em 2016, conforme o portal BJ (Blog do Jeso) noticiou à época. Em sentença na primeira instância, ele foi absolvido.

O empresário catarinense estava com 83 anos. A morte foi confirmada em um comunicado divulgado pelo Vaccaro Group. A causa não foi informada.

“A Vaccaro Group, suas empresas (Rafitec Propex, Nutrata, Açaí Amazonas, Vaccaro Empreendimentos Imobiliários, Vaccaro Construtora, Exata e GreenMax), e os mais de três mil colaboradores, expressam neste momento, o profundo pesar pela perda do Sr. Eloy Luiz Vaccaro”, informou o comunicado.

Vaccaro deixa a esposa Dulce Inês Rodrigues Vaccaro, cinco filhos, seis netos e dois bisnetos. Dentre os filhos está o empresário Márcio Vaccaro, diretor presidente da Rafitec Propex.

Ele chegou no Pará em 2002, com planos de trabalhar com milho, mas viu potencial no açaí e resolveu apostar não só na produção, mas em pesquisa. Ele se tornou o maior produtor de açaí de terra firme do mundo. A Açaí Amazonas empregava dezenas de pessoas nas cidades de Óbidos, Curuá e Alenquer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *