Augusto Aras, da PGR, é contra quebra de sigilo de empresário após ordem da CPI da Covid
Augusto Aras, nº 1 da PGR (Procuradoria Geral da República): não à quebra de sigilo de Wizard. Foto: Agência Globo

Em manifestação apresentada ao STF, o procurador-geral da República, Augusto Aras, disse ser contra a ordem da CPI da Covid para a quebra dos sigilos telefônico e telemático de Carlos Wizard, informa Ancelmo Gois, de O Globo.

Segundo o jornalista, o posicionamento de Aras foi apresentada no mandado de segurança apresentado pela defesa de Wizard. Em caráter liminar, a ministra Rosa Weber negou a solicitação de Wizard e manteve a quebra dos sigilos.

— LEIA AINDA: Deputado bolsonarista viola tornozeleira eletrônica e volta ser preso por ordem do STF

 

Para o titular da PGR, a ação do empresário deveria prosperar, pois a CPI da Covid não apresentou “fundamentação adequada”.

“Além da ausência de indicação de fatos concretos em tese amoldáveis a tipo penal, a autoridade coatora deixou de se desincumbir do ônus de demonstrar a necessidade e a adequação da medida para a obtenção da prova buscada”, disse Aras.

Wizard é apontado pela CPI como um dos participantes de um “gabinete paralelo” ao Ministério da Saúde, responsável por guiar o país no enfrentamento da pandemia.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Augusto Aras, da PGR, é contra quebra de sigilo de empresário após ordem da CPI da Covid

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Abel disse:

    Procurando apenas permanecer no cargo,

  • Bíblia do Bolsonarismo disse:

    Esse caso, até eu ,que nem terminei o primeiro de direito , já sabe que não pode e a razão simples. Como nada de recursos públicos foram pagos na compra de tal vacina, nessa conta não tem recursos públicos e sem isso é invasão de propriedade privada

    1. Pedro disse:

      Exatamente