Jair Bolsonaro terá pelo menos 10 mil cargos de livre nomeação no governo, Palácio do Planalto

O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) afirmou nesta segunda-feira (29) que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, terá à disposição pelo menos 10 mil cargos de livre nomeação a partir da posse, em 1º de janeiro de 2019. A informação é da Folha de S. Paulo.

Antes disso, Bolsonaro indicará até 50 assessores para integrar a equipe de transição.

Segundo Padilha, os nomes serão indicados na próxima quarta-feira (31), quando ele tem reunião com o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), anunciado como futuro ministro da Casa Civil.

“Ele [Lorenzoni] me disse que na quarta a intenção é vir já com os primeiros nomes para composição da equipe de transição”, disse Padilha.

A equipe da transição pode permanecer no cargo do momento da indicação até no máximo dez dias após a posse de Bolsonaro. Eles receberão celulares com o programa que conterá as informações do governo e o detalhamento de dados de cada ministério.

REDUÇÃO DOS COMISSIONADOS

Lorenzoni já disse que pretende reduzir em pelo menos 20% o total de funcionários em cargos comissionados. Para ocupar essas funções, o que se discute é a promoção de servidores de carreira a esses postos.

Padilha lembrou que o partido dele, MDB, adotou postura de independência no segundo turno da eleição presidencial e que, portanto, terá de abrir mão dos cargos que dispõe hoje no governo. 

“O MDB já tem posição de independência em relação ao governo. A independência, por certo, passa também pelo fato de ter que abrir mão de cargos”

Padilha disse que ainda não há reunião marcada entre o presidente Michel Temer e o presidente eleito. Segundo Lorenzoni, Bolsonaro só deve ir a Brasília na próxima semana. 

Leia também:
Brasil elege Jair Bolsonaro, candidato da extrema-direita, para presidente

  • 1
    Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *