Homem convoca sem-terra para invadir áreas em Santarém, e cobra R$ 10; áudio
Áreas na rodovia Fernando Guilhon estão na mira do suposto Movimento Social por Moradia em Santarém. Homem de prenome Jonilson cobra taxa. Foto: Felipe Borges/Arquivo BJ

Um homem de prenome Jonilson está convocando pessoas para invadirem “áreas não produtivas” em Santarém (PA) e que não “tenha benfeitorias”, para tomar posse delas, dividindo-as em lotes para moradia.

Em áudio, cuja cópia foi obtida pelo BJ (Blog do Jeso), Jonilson cobra R$ 10 dos interessados em participar das ocupações. O recurso será destinado, segundo ele, para o Movimento Social por Moradia em Santarém, entidade que o homem dirige e que teria sido criada em prol dos sem-terra.

 

Um dos imóveis na mira do MSMS, conforme o BJ apurou, seria o local onde está prevista a construção de um centro de convenções municipal, na avenida Fernando Guilhon, próximo ao aeroporto internacional Maestro Wilson Fonseca. No mês passado, o governador Helder Barbalho (MDB) entregou ao prefeito Nélio Aguiar (DEM) a escritura pública de doação desta área.

Os R$ 10 cobrados por Jonilson seria uma taxa, para se associar ao MSMS. Ele explica no áudio o modus operandi das invasões a serem feitas na cidade.

— LEIA também: Empresa que realizou PSS da Mais Saúde suspende convocação de aprovados

Ouça.

O BJ não conseguiu localizar Jonilson.


Assine e participe, comente no canal do Blog do Jeso no Telegram.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Homem convoca sem-terra para invadir áreas em Santarém, e cobra R$ 10; áudio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Manoel Gregório disse:

    Esses tolos só buscam áreas filão. A favela no Juá é um exemplo. Por que não invadem terras distantes? Pois isso é um comércio. As mesmas pessoas sempre estão nas invasões. Invadem, a favela se cria, vendem “as posses”. Lucram.
    A cidade deveria ser protegida e preservada por um cinturão verde. Faltam políticas públicas e fiscalização e multa. Um descaso só! Exemplo quente de crime ambiental foram as podas das mangueiras na Mendonça Furtado.
    A frouxura e “zamidade” não encontrará nem punirá nenhum culpado.

    1. Jeso Carneiro disse:

      Ótima análise. Parabéns!

  • Mario disse:

    Estas áreas de florestas no entorno da cidade deveriam ser preservadas, mas estão sendo devastadas por essa quadrilha. Uma tragédia ambiental.