Médicos chegaram a levar calote de R$ 100 mil do IPG na pandemia

Publicado em por em Justiça, Saúde

Médicos chegaram a levar calote de R$ 100 mil do IPG na pandemia
A audiência que selou o pagamento dos credores do IPG. Ao centro, o promotor Diego Santana (esq.) e o juiz Claytoney Ferreira. Foto: JC

Pelo menos 3 médicos receberam acima de R$ 100 mil por ordem da Justiça pelo calote do IPG (Instituto Panamericano de Gestão) aplicado quando da sua gestão à frente do HCS (Hospital de Campanha de Santarém) no pico da pandemia da covid-19.

Parte dos recursos públicos que estavam bloqueados, a pedido do MPPA (Ministério Público do Pará), foram liberados pelo juiz Claytoney Ferreira, para pagamento de credores da OS (Organização Social) que também geriu o HMS (Hospital Municipal de Santarém).

Os 3 médicos chegaram a trabalhar mais de 70 plantões no HCS, e não foram pagos pelo IPG. Bateram, então, à porta da 6ª Vara Cível e Empresarial de Santarém contra o calote.

Dois anos depois conseguiram, enfim, receber o que lhes era devido. Ao todo, cerca de 30 médicos foram beneficiados pela decisão – e receberam entre R$ 6,6 mil (6 plantões) e R$ 156,7 mil (95 plantões).

A Equatorial Energia foi a credora a quem foi destinado o maior pagamento, entre as que foram à Justiça contra o calote. A concessionária recebeu exatos R$ 808.722,03.

Sobre esse caso, leia também: Saiba por que a Justiça negou recursos bloqueados do IPG para a Golden.

  • JC também está no Telegram. Siga-nos e leia notícias, veja vídeos e muito mais.


Publicado por:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.