Eu caçado

O olhar fixo em mim, exigente,
Me enerve, me deixa sem graça
Decidida, ela nem disfarça
E eu aqui, vencido, impotente

Ante ao desfecho iminente
Ela um recado me passa
A sedução que há nela, grassa
Meu corpo, então, fica diferente

A vendo ali, desejosa, ardente
Percebo minha resistência escassa
Minha vontade de ser forte fracassa

Capitulo, assim, à sua frente
Meu desejo explícito, patente
Me transforma, então, em sua caça

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Floriano CunhaDe Floriano Cunha, poeta amazônico nascido em Santarém.

Leia também:
Láudano, de Jota Ninos.
Tempos, de Floriano Cunha.
Redoma, de Jota Ninos.
Tua calma, de Raimunda Monteiro.
Piracema, Kaveira.
Hora da Prece, de Emir Bemerguy.
Os astros íntimos, de Thiago de Melo.
Tédio, João de Jesus Paes Loureiro.
Soneto Ardiloso, de Jota Ninos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *