Láudano

Pedaços de papel que trazem vida
Folhas transformadas em morte
Sentenças digitalizadas de sobrevida
Pergaminhos de impressões imprecisas
Laudas de laudos de láudanos…

A vida é um eletrocardiograma supremo
A morte é o anagrama do que mais tremo

Laudas de vida
Laudos de morte
Lado a lado há anos
Láudanos alados da inspiração malsã
“Lauda-nos” o soberano prazer
De alimentar esperanças,
Mesmo que vãs…

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

J.Ninos_De Jota Ninos, poeta amazônico naturalizado tapajônico.

Leia também:
Tempos, de Floriano Cunha.
Redoma, de Jota Ninos.
Tua calma, de Raimunda Monteiro.
Piracema, Kaveira.
Hora da Prece, de Emir Bemerguy.
Os astros íntimos, de Thiago de Melo.
Tédio, João de Jesus Paes Loureiro.
Soneto Ardiloso, de Jota Ninos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *