O aroma das minhas lembranças. Por Alessandra Helena Corrêa

Minhas manhãs tinham cheiro ….

Sim, caro leitor! Minhas manhãs tinham cheiro, e aposto como as suas também. As minhas tinham cheiro de café. Mas não era qualquer café. Não!

O aroma das minhas manhãs era perfumado de amor.

Alessandra Corrêa *

Aquele café era uma mistura de sensações. No primeiro brilho do sol, cantar das aves, barulho dos carros, ele vinha. Mas não vinha só… Trazia muito mais do que seu saboroso perfume – desculpa o paradoxo, mas o café das minhas lembranças causa isso em mim, uma mistura de sentimentos.

O café das minhas manhãs tinha gosto de paz.

De abraço. De família. De amor. O café das minhas manhãs tinha o gosto de mãe – a autora da fantástica bebida.

Tinha gosto de calmaria e vento fresco – como eram as primeiras horas do dia.

O café das minhas manhãs tinha gosto do banho para a escola. Da padaria do Senhor Estêvão. Das primeiras notícias do telejornal.

Ah, aquele cheiro … ainda sou capaz de senti-lo a cada dia, e junto vêm todas aquelas manhãs: o barulho da casa acordando, aos poucos, aumentando a cada membro que levantava.

— LEIA AINDA de Alessandra Corrêa: A saúde da alma. Como está sua hoje?

O rádio sendo sintonizado no primeiro programa do dia. O locutor e suas previsões nada surpreendentes de mais um dia de sol, ou de chuva quando no inverno.

O pão francês com gosto de dia da semana. O dilema matinal sobre o cardápio do almoço. O latido feliz do cachorro vendo seus donos de pé.

Aquele cheiro era mais do que um simples aroma, era um conjunto de certezas.

Certeza de que ao levantar, mesmo com todos os imbróglios da vida, tudo estaria lá:

Nossa mãe.

O vento.

As notícias.

O senhor Estêvão.

A escola…

O cachorro…

Certeza de que aquele café era a essência necessária para começar bem o dia; o amor emanado em forma de refeição.

Quando o cheiro do café ia embora, o dia então começava, findava a calmaria. Só restava esperar pela hora do almoço.

Ahhh aquele almoço …

Mas isso é para outra conversa. Pra já só posso vos dizer:

Minhas manhãs tinham cheiro…


— * Alessandra Helena Corrêa, santarena, é graduada em licenciatura plena em Letras (Ufopa). Faz mestrado atualmente em Estudos Literários, Culturais e Interartes na Universidade do Porto, Portugal, onde reside. No Instagram: @alehhelena.


Assine e participe, comente no canal do Blog do Jeso no Telegram.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

8 Comentários em: O aroma das minhas lembranças. Por Alessandra Helena Corrêa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Alessandra Correa disse:

    Obrigada pelos vossos comentários!

  • Edilene disse:

    Ah que delícia de café da manhã! Seu texto lembrou-me dos meus também, ao lado de minha mãe e hoje quando preparo para meus filhos. Ainda que eles não apreciem, que desperdício, pelo aroma já sabem: a mãe está na cozinha…
    Parabéns pelo texto, gratidão por compartilhar conosco.

  • Aldo Lima disse:

    Que lindas memórias. Parabéns pelo texto e obrigado por compartilhar conosco

  • Divania oliveira disse:

    E as lagrimas cairam😭😭lendo esse lindo texto , lembrando das minhas manhãs ao lado de minha mâe de meu pai q hj são so lembrancas😭😭 mais lembranças boas de como nós eramos felizes.

  • Julye Almeida disse:

    Texto maravilhoso! Alessandra é uma professora para a vida. ❤️

  • Maria de Lourdes Kameyama disse:

    Fantástico! Quando o remexer no baú das memórias nos transportam para doces lembranças, é bom demais

  • Antônia Vita disse:

    Alessandra uma jovem de muita coragem e garra,que acredita em uma sociedade melhor a partir do envolvimento de todos em prol do bem comum.Foi uma grande e é uma líder de nossa juventude em nossa comunidade de São José Óperario em Santarém/PA.

    1. Jeso Carneiro disse:

      Que legal, Vita. Não sabia dessa pegada social da Alessandra. Esse é mais um belo texto dela.