O dono da porra toda. Por Paulo Cidmil

Quem apostou no escândalo que envolve Jair Bolsonaro achando que o fará recuar, engana-se. Bolsonaro irá usar esse fato para jogar mais agressividade em cima do STF, de governadores, prefeitos, autarquias, fundações, universidades públicas, centros de pesquisa e órgãos reguladores/fiscalizadores, como os ambientais.

Seu desejo é de uma ruptura institucional, será o passo final do projeto político de seu grupo para implantar uma fantasiosa democracia direta.  A Presidência e o Povo.  Ele obviamente sentado na cadeira de presidente.

Paulo Cidmil *

Não à toa, todos os dias, Bolsonaro para em frente ao Palácio para exercitar essa sua forma de governo. Conversar com o que ele chama de “povo”. Uma claquete ensaiada, chamando-o de mito.

 Ficaram muito clara as intenções de Bolsonaro na reunião agora revelada. Assim como evidente está, quem faz parte do núcleo central que o assessora. É possível perceber o desprezo que esses personagens “iluminados” têm pela democracia e pelos poderes constituídos.

Eles não querem a harmonia entre os poderes, as falas são cristalinas: combater os outros dois poderes instituídos e se possível passá-los a ferro e fogo.

E esse embate não é uma atitude intempestiva, é algo pensado, elaborado, corroborado por uma imensa máquina de propaganda e destruição das imagens do Legislativo, Judiciário e demais opositores. Máquina que opera há mais de três anos nas redes sociais e a lei não consegue parar.

 

O país esta sendo governado por Bolsonaro, seus três  filhos, Paulo Guedes, Olavo de Carvalho, Weintraub,  Damares, Ernesto Araújo, Ricardo Salles, meia dúzia de generais da reserva e raros parlamentares em segundo plano. Onix Lorezoni, o principal deles, fazendo seu papel de leva e trás com o Congresso.

Bolsonaro tem uma crença cega de que ele, como detentor de 57 milhões de votos, é portanto,  o dono da porra toda. Ministros do STF  não foram escolhidos pelo voto (assim ele pensa).  Deputados, senadores, governadores, prefeitos, nenhum teve 57 milhões de votos.  

m sua cabeça doentia e ególatra, ele é o escolhido, inclusive por Deus (aqui entram Macedo, Malafaia e outros para ungir a escolha) e todos deveriam acatar o que ele determina.

Se concretizarem-se seus planos, aí não mais teremos uma democracia, que ele odeia, e sim um regime personalista de nome bolsonarismo. Assim como na Venezuela, podemos ter um regime autoritário avalizado pelas armas.

Essa é a grande interrogação. O silêncio das Forças Armadas, diante de tanta afronta ao Estado Democrático de Direito e as instituições é de estourar os tímpanos.

Estariam tacitamente com Bolsonaro aguardando o distúrbio social para, após o decreto de exceção, entrarem em ação? Seriam capazes de embarcar na aventura de uma nova ditadura liderada por um personagem doentio como Bolsonaro, como já o fazem  generais da reserva, talvez saudosos da ditadura 64/85?

O governo tem 8 dos 22 ministérios controlados por militares, sendo que Braga Neto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) são militares da ativa, faziam parte do Estado Maior das Forças Armadas. como também é da ativa o almirante Bento Costa Lima (Minas e Energia).

Bolsonaro já nomeou 2.900 militares distribuídos em ministérios, secretarias, autarquias, fundações e empresas estatais. 1600 do Exército, 680 da Marinha e 620 da Aeronáutica. Seria essa  uma das fontes de informação particular que ele afirmou ter? Ou essas nomeações poderiam ser uma tentativa de cooptar as Forças Armadas para o seu projeto de Venezuela verde amarelo?

Outro fato preocupante é o imenso contingente  de policiais militares e principalmente ex-maus policiais militares expulsos das corporações que hoje formam o exército das milícias e serviços de segurança. As evidências apontam o envolvimento da família Bolsonaro com a milícia. E milicianos são bolsonaristas de primeira hora.

As portarias que tratam do rastreamento, identificação e marcação de armas e munições, trabalho realizado pelo Exército, foram revogadas por ordem de Bolsonaro. Serviço  feito sob medida para milícias e contrabandistas de armas e munição. Relaxam o controle sobre os armamentos.

O fenômeno das milícias ultrapassou as fronteiras do Rio de Janeiro e os limites estritos dos negócios.  Se transforma em um sentimento de combate “aos contrários”, “aos esquerdopatas”, “aos comunistas”, “aos hereges e ateus”, “às feministas”, ” LGBTs”. Diferentes “de nós” não são patriotas. Há um desejo de higienização moral fundamentalista nesses homens de bem.

 

Tínhamos os soldados de Cristo do Bispo Macedo destruindo templos religiosos da Umbanda e Candomblé, as milícias digitais do gabinete do ódio, e agora começamos a ver as milícias físicas, reais, chegam a se exercitar em frente ao Palácio da Alvorada. O olhar de Teich, um judeu, para Weintraub, um energúmeno, são uma centelha de luz a identificar os sinais do fascismo.

Outro ponto de sustentação da excrescência Bolsonaro é o entreguista Paulo Guedes, ministro com a cabeça na teoria econômica dos anos 70, que nos diz “A Eletrobrás tem que ser vendida”, “vamos vender o BB, tá prontinho”, “vamos dar dinheiro para as grandes empresas que é lucro, pequenos só dão prejuízo”. Olha a banana chinos!

Paulo Guedes é funcionário do onipresente mercado, está com a agenda dada por eles, já emplacou a reforma trabalhista, a reforma da previdência, a entrega do pré-sal e tem na pauta a liberação da mineração, do acesso ilimitado às terras, alienação dos aqüíferos e a destruição de marcos regulatórios que preservam o patrimônio nacional.

 Seus patrões do sistema financeiro, atravessadores de tudo, estão ansiosos para irem às compras. Como já disse Paulo Guedes, “por mim a gente vendia tudo”. Com o dólar a quase seis reais e em alta, que farra na Colônia. Olha a banana, tio Sam!

Não estamos presenciando manifestações anti-Bolsonaro por estarmos em meio a uma pandemia, mas assim que esse período passar elas ocorrerão. E aí teremos de  volta os backblocks milicianos.

Infiltrados nos movimentos sociais, para promoverem os distúrbios como em 2013, só que nesse caso, eles não contribuirão para a queda de Bolsonaro, e sim, para os decretos de intervenção e de exceção.    

Estamos sendo governados por uma turba de perversos. Catalisados que foram por um homem sem escrúpulos, sem espírito público, sem amor ao povo e à cultura brasileira. Que ao vociferar seu ódio, com claras evidências  de idéias nazistas, aglutinou toda espécie de reacionários e fundamentalistas.

Seria urgente uma pesquisa “arqueológica” para encontrar o cocô que germinou essa família de migrantes italianos do pós-guerra e gerou esse ser com idéias fascistas, racistas e totalitárias.

Em seu governo é possível identificar manifestações nazistas, fascistas, racistas, fundamentalismo religioso, eugenia, negação da ciência (aqui a conveniência  pode ser parceira na eliminação dos descartáveis).

Há cerca de 2 meses o governo preparou uma campanha de divulgação do programa Pró Brasil, o único esboço de programa de governo, que não o corte de direitos do trabalhador. A imagem a ser veiculada era formada por cinco crianças brancas, como se fôssemos arianos, bretões, eslavos ou coisa parecida.

Houve contestação de todos os lados. Bolsonaro veio a público dizer que aquilo era apenas uma prova, que não seria veiculado.  E onde se viu a imagem do programa Pró Brasil, quando divulgaram a reunião de 22 de abril?  Na sala de reuniões da Presidência da República, em lugar de destaque.

Bolsonaro mente e manipula com tanta veemência que deixa seu gado extasiado. Acusou o bosta, o estrume e o merda de estarem manipulando os números da pandemia para aterrorizar o povo, sugar dinheiro do Governo Federal e gastarem sem licitação.

Em  22 de abril, dia da efusiva reunião, o número de mortos era o seguinte: São Paulo 1.134, Rio de Janeiro 490 e Amazonas 207. Os governadores e prefeito argumentavam que os números cresciam e que era necessário o distanciamento social, equipamentos, insumos e mais profissionais.

No dia 24 de maio, bosta, estrume e merda  têm os seguintes números de mortos. São Paulo 6.163, Rio de Janeiro 3.993 e Amazonas 1758, fora a subotificação.

Os governadores e prefeito estavam certos. Sem as providências tomadas, o numero de óbitos seria maior. Mas o gado monitorado e alimentado por dúzias de fake news diárias,  não quer saber disso. Perdeu a capacidade crítica. Seguir Bolsonaro virou profissão de fé.

Desde a fundação da República, estruturalmente o Estado brasileiro é o mesmo. Apropriado por castas colonizadas, detentoras do capital, dos meios de produção, do saber e sobretudo opressora do povo brasileiro.

Ainda vivemos em uma sociedade escravocrata  profundamente racista, Todos os avanços civilizatórios conquistados foram negociados de forma que essas elites abastadas não perdessem os seus privilégios  e nem os seus espaços de poder na estrutura do Estado.

 

Não fosse isso, e a manutenção de imensas populações na ignorância, vitimas de uma educação excludente,  Bolsonaro e seus asseclas não brotariam das profundezas da maldade para tentar nos impor uma sociedade opressora, um Estado subserviente a interesses externos, que descarta seu povo. Como se o povo fosse o problema para a realização do “Brazil” que esses infelizes sonham. Uma sociedade de brancos, ricos e colonizadores.

Desejo do fundo de minha alma que as Forças Armadas não avalizem o projeto autoritário de Bolsonaro, que irá trazer mais sofrimento e opressão ao povo brasileiro, promovido por esses apátridas falando em nome da pátria.

Enquanto isso, sigamos convivendo com essa aberração.


— * Paulo Cidmil, santareno, é diretor de Produção Artística e ativista cultural. Escreve regularmente neste blog.

LEIA também de Paulo Cidmil:

Um mergulho em direção ao lixo da história.

Muita quinquilharia e pouco ouro: Festival de Cinema de Alter do Chão.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

10 Comentários em: O dono da porra toda. Por Paulo Cidmil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Heliana disse:

    Parabéns Paulo Cidmil, excelente texto síntese da situação atual. Minhas maiores preocupações, em relação às manifestações que virão, são duas: 1) Estamos no meio de uma pandemia,, sem nenhuma liderança federal, os dois ministros até tentaram fazer o trabalho q lhes cabia, por isso foram dispensados ou se retiraram, então, evitar aglomerações e distanciamento social ainda são medidas necessárias. 2) Os infiltrados extremistas em manifestações pacíficas, q ao se tornarem violentas, sejam justificativas para intervenção militar. Enfim, é isso, na luta por dias melhores p sempre.

  • Alacid Canto disse:

    Acabou a boquinha… Vamos ao trabalho.

    1. Heliana disse:

      Por onde anda Queiroz? Acabou a “boquinha” agora é a vez das “rachadinhas”

  • Silvio Moura disse:

    Gado é gado!
    O Brasil vem sendo saqueado desde 1.500.
    O governo que vc sancionou governou por 13 anos e apesar de alguns erros, nos primeiros 8 anos, deixou o país com 38o bilhões de dólares de reservas internacionais, pagou o FMI, tirou 30 milhões de brasileiros da miséria extra, criou 9 universidades federais entre outros programas inclusivos: como o minha casa minho vida, pronatec, luz para todos entre outros…
    Portanto em sã consciência me responda – me aponta um projeto desse energúmeno do BOZO, voltado para mitigar o sofrimento do nosso povo menos favorecidas?
    Portanto gado é gado – está imbecilizado com as idiotices do seu representante.
    O BOZO é o representante perfeito para os idiotas que não tem sonso critico.
    Vocês se merecem!

  • Bruno disse:

    Muitas asneiras escritas, o Judiciário e Legislativo destroem-se por si mesmos. Trabalham contra os interesses no Brasil, dessa forna vão eleger Bolsonaro fácil, fácil.

  • Marcelo disse:

    Infelizmente é isso mesmo, temos que deter esse bolsonazi.

  • Manuel disse:

    BozoNero e seus cupinchas, querem e desejam implantar a “República da milícia”.

  • Alacid Canto disse:

    Sofrível e lamentável esse posicionamento… onde você estava nos 16 anos que passaram, onde fomos roubados e nossas instituições aparelhadas.

    1. Silvio Moura disse:

      Gado é gado!
      O Brasil vem sendo saqueado desde 1.500.
      O governo que vc sancionou governou por 13 anos e apesar de alguns erros, nos primeiros 8 anos, deixou o país com 38o bilhões de dólares de reservas internacionais, pagou o FMI, tirou 30 milhões de brasileiros da miséria extra, criou 9 universidades federais entre outros programas inclusivos: como o minha casa minho vida, pronatec, luz para todos entre outros…
      Portanto em sã consciência me responda – me aponta um projeto desse energúmeno do BOZO, voltado para mitigar o sofrimento do nosso povo menos favorecidas?
      Portanto gado é gado – está imbecilizado com as idiotices do seu representante.
      O BOZO é o representante perfeito para os idiotas que não tem sonso critico.
      Vocês se merecem!

    2. Heliana disse:

      onde vc está agora, ao permitir q isso continue?