Aguinaldo estava sob efeito de droga sintética; Isabela, de álcool, aponta laudo

Publicado em por em Pará, Santarém, Segurança Pública

Aguinaldo estava sob efeito de droga; Isabela, de álcool, aponta laudo
Aguinaldo e a namorada Isabela Lira estavam juntos na suíte na madrugada da morte do empresário. Foto montagem: Célia Ilma/JC

O empresário e vereador santareno Aguinaldo Promissória, 46 anos, estava sob efeito de droga sintética quando, com uma pistola calibre 9 milímetros, atirou contra a própria cabeça. É o que revela outro laudo pericial (toxicológico) realizado pela Polícia Científica do Pará.

O exame foi concluído há 11 dias (dia 16) e entregue ao delegado Fábio Amaral Barbosa, que investiga o caso.

O inquérito está sob sigilo. O JC teve acesso a uma cópia do documento. O portal também revelou o laudo denominado “Levantamento de Local de Crime com Cadáver”, assinado pelos peritos Diana Moraes e Giuseppe Tandredi.

Aguinaldo morreu no dia 25 de setembro último, em Santarém (PA). Ele estava trancado na suíte de sua casa, na avenida Anysio Chaves, bairro Aeroporto Velho, junto com a namorada, Isabela Ataíde Lira.

Além de droga sintética MDA (abreviatura de metilenodioximetanfetamina), conhecida popularmente como “bala” ou ecstasy, no exame de sangue do empresário também foram detectados ingestão de pelo menos 2 medicamentos: Clonazepam e Tadalafila.

O primeiro, mais conhecido comercialmente como Rivotril, é receitado para ansiedade, distúrbio do pânico, para dormir e até contra depressão; o segundo, para disfunção erétil. O empresário, atestou ainda o laudo, ingeriu uma grande quantidade de álcool.

Posição (decúbito dorsal) em que o empresário foi encontrado morto na suíte em sua casa na avenida Anysio Chaves. Foto: Reprodução/Polícia Científica do Pará

“Foram 5,25 decigramas de álcool etílico por litro de sangue”, informou a perita criminal Rosana Cristiane Monteiro. O exame de Isabela Lira acusou “1,94 decigramas de álcool etílico por litro de sangue”.

Pela lei que estabelece crime de trânsito para motorista embriagado, a tolerância máxima de álcool é de 0,6 decigramas por litro de sangue – ou 0,34 miligramas.

De acordo com laudo pericial assinado pelo médico legista Rubens Dourado da Fonseca, o vereador Aguinaldo Promissória morreu devido “anemia aguda, por hemorragia interna e externa, por fraturas de ossos do crânio, por edema e hemorragia cerebral, por baleamento”.

Sendo que o trajeto da bala que o atingiu foi “da direita para esquerda, e de baixo para cima, de frente para traz e apresentando sinal de Puppe Werkgaertner”, ou seja, “quando o tiro é encostado, com marca da boca e mira na pele” da vítima.

— O JC também está no Telegram. E temos ainda canal do WhatsAPP. Siga-nos e leia notícias, veja vídeos e muito mais.


Publicado por:

3 Comentários em Aguinaldo estava sob efeito de droga sintética; Isabela, de álcool, aponta laudo

  • Pela frente das câmeras, Deus , pátria e família. Nas escondidas, usuários. É hipocrisia que fala?

  • Amigo Jeso, me falaram in off que deu cocaína no da moça. O laudo toxicológico dela deve sair esses dias. Só saiu o do vereador. O dela já está pra assinatura. O que saiu dela foi a alcolemia, são exames diferentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *