Poetas amazônicos. Tantas e tontas coisas, alegria-tristeza

Helena

Da tristeza e da alegria
Somente Helena sabia,
Sabia porque sabia
do bordel à Eucaristia.
Sabia porque sabia
que a noite clareia o dia.

De tantas e tontas coisas
Sabia Helena sabia.
Regando seus muitos sonhos
penteando a maresia
lavando léguas de lodo
no limbo da poesia.

E assim costurava o caos
com a linha da fantasia
a nossa helena dos bares
aquela que mais sabia
que sabendo se lembrava
e lembrando se esquecia.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Poetas amazônicos. Tantas e tontas coisas, ruy barata

De Ruy Barata, poeta paraense nascido em Santarém.

Leia também:
E(u)legíaco, de Jota Ninos.
Ânsia de amor, de Célio Simões.
Encantaria, de Neucivaldo Moreira.
Tempo de poema, Neucivaldo Moreira.
Poética, de João de Jesus Paes Loureiro.
Soneto, de Raul de Leoni.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *