Paulo Sérgio da Silva, o Paçoca, foi preso em agosto de 2015. Ele é acusado pelo MPF de ser o chefe da quadrilha

Juiz solta Paçoca, acusado de chefiar a quadrilha da Madeira Limpa, paçoca

Um ano e três meses depois de preso na operação Madeira Limpa, executada pela Polícia Federal, Paulo Sérgio da Silva, o Paçoca [foto], foi colocado em liberdade por decisão da Justiça Federal.

Paçoca, solto ontem, 21, é apontado pelo MPF Ministério Público Federal como o chefe da organização criminosa que participava de um esquema milionário de comércio ilegal de madeira no oeste do Pará.

Leia também
Justiça determina condução coercitiva do ex-prefeito Lira Maia ao fórum.
Por que juízes e procuradores temem o controle legal?.

30 pessoas são acusadas de participar da quadrilha, entre os quais Luiz Bacelar Guerreiro Júnior, ex-titular da Superintendência Regional do Incra SR-30, com sede em Santarém.

Todos os 30 réus

Além de Paçoca, o juiz Érico Pinheiro, da 2ª Vara Federal em Santarém, determinou a soltura de André Luis da Silva Suleiman. Os dois eram os únicos acusados que ainda estavam presos. Neste link, confira a relação de todos os réus.

O MPF deu parecer contrário ao pedido de liberdade feito pela defesa de Paçoca e André Suleiman à Justiça. O magistrado, no entanto, resolveu liberá-los.

Para Osmando Figueiredo, advogado de 4 réus da Madeira Limpa, o juiz acerou na decisão.

“As provas prometidas pelo Ministério Público no pedido de prisão preventiva se esmaeceram no decorrer da instrução do processo”, disse o advogado.

“Foi mais uma pirotecnia para sair no Fantástico do que fatos criminosos concretos. O MPF não conseguiu trazer aos autos as provas robustas prometidas no início das investigações. Muitos dos acusados deverão ser absolvidos. Ou condenados fora da suposta oraganização criminosa em crimes de menor potencial”.

Sobre o caso leia também:
Justiça Federal começa interrogar 20 réus investigados na operação Madeira Limpa.
Justiça bloqueia R$ 2,8 milhões de empresa de açaí e mais 3 investigados da Madeira Limpa.
Solto pelo STJ, empresário da Madeira Limpa deixa a prisão depois de pagar fiança de R$ 20 mil.
Números. Ação pede multa de R$ 405 mil contra ex-chefe do Incra.

  • 11
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

4 Comentários em: Juiz solta Paçoca, acusado de chefiar a quadrilha da Madeira Limpa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • william lopes disse:

    Se todas as informações se confirmarem a paraguaia deverá devolver o troféu. É isso, recebeu o troféu antes do fim do jogo, agora é passar a vergonha de ter que devolver o que não fez por merecer. É fantástico!!!!!!!!!!!!

  • gavião disse:

    soltaram a turma ligada ao pmdb, e quando vão prender a turma do pt, que roubou milhões e milhões do incra em santarém e tão tudo ai, só de boa, carrões e mansões

  • lucia disse:

    A operação madeira limpa foi inventada, manipulada, seletivisada, e assombrosamente MONTADA suas peças para retirar o PMDB do poder da SUPERINTENDÊNCIA DO INCRA DE SANTARÉM. e reverter o controle das terras e riquezas naturais para as ONGs como O GREENPEACE, TERRA DE DIREITOS E ICE, e para isso tiveram o grande apoio de integrantes do MPF que fazem o jogo sujo.
    Com isso eles conseguem manter as ilegalidades cometidas no governo do PT como assentamentos e grandes reservas evitando o povoamento da Amazônia, não permitindo a estruturação fundiária e econômica da Amazônia. Esta operação nasceu com base em falsas denuncias de agrônomos do Incra, e ratificada por membros do MPF.
    Para que o bolo macabro tivesse a cereja desejada fizeram ligações descabidas e iludiram o judiciário prometendo provas que não existiam, iludiram a opinião pública e com isso acharam que iriam atingir o objetivo e se auto-protegerem dos roubos cometidos com a SUPERINTENDENTE ATUAL QUE CHEGOU AO PODER GRAÇAS A OPERAÇÃO MADEIRA LIMPA ELITA BELTRÃO. Assim o assentamento juruti velho e seus milhões ou bilh~es desviados por ELITA, CANDIDO, CLEIDE, DILTOM TAPAJÓS não seriam investigados pois teriam proteção destes mesmos procuradores do MPF.
    o INCRA NÃO VENDE MADEIRA NEM AUTORIZA CREDITO DE MADEIRA. NO ENTANTO O INCRA DE ELITA E DAS ONGS E PASTORAL DA TERRA, grilam terra de produtor rural, desviam crédito habitação, cheque moradia junto ao governo ana julia PT e criam assentamentos ilegais e fraudulentos como já disse NELIO AGUIAR NO DEBATE DOS CANDIDATOS A PREFEITO EM SANTARÉM.