Soneto

És desejo, talvez, ou limpo canto
Que se põe como branca toalha sobre
A descampada e vaga solidão
Do vasto campo azul deste meu canto.

És a fuga, talvez, de fontes puras
Que se lançam medrosas e perdidas
Para o mar tenebroso, inavegável,
De onde chego no canto feito nave.

És a rosa. Ou quem sabe se és a sombra
Das estrelas morridas de não ser
Mais que luz, mais que brilho solitário?

Ou te pões, simplesmente, como a nota
Que fugiu para sempre da sonata
Imatura que eu compus de brilhos falsos?

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

De Luiz Ruas, poeta amazônico nascido em Manaus.

Leia também:
Breve tempo, de Alonso Rocha, poeta paraense nascido em Belém.
Ausência, de Felisbelo Jaguar Sussuarana.
Fios do tempo, de Jota Ninos.
Eu caçado, de Floriano Cunha.
Láudano, de Jota Ninos.
Tempos, de Floriano Cunha.
Redoma, de Jota Ninos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *