Viver intensamente

Quando é pra viver, vivo plenamente
Mesmo que depois eu pague o preço
Mesmo que eu perca o meu apreço
Mesmo que depois fique descente

Às vezes, de tanta entrega, eu adoeço
E nessa entrega, também fico carente
Guardo então, o amor, que há, latente
A quem merecer, se quiser, ofereço

Assim, com o tempo, segue a vida
Às vezes curta, às vezes comprida
Ou no tempo que for necessário

Pra chegar onde for o destino
Que vem traçado desde menino
Ou até antes mesmo do berçário

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

FlorianoDe Floriano Cunha, poeta amazônico nascido em Santarém. Poesia do seu único livro “Do meio-dia pra tarde”, lançado este ano.

Leia também:
Soneto de um apelo, de Jota Ninos.
Retorno, de Neucivaldo Moreira.
Ânsia de Amor, de Célio Simões.
Poema para quem quer que seja, de Hamilton Fernandes.
Tempoesia, de Jota Ninos.
Soneto, de Luiz Ruas.
Breve tempo, de Alonso Rocha.
Ausência, de Felisbelo Jaguar Sussuarana.
Fios do tempo, de Jota Ninos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *