Ânsia de Amor

Sonho acordado,
pensando em ti.
Rotina insana. Assoberbado,
nem sei se vivo ou já morri…
Na ingente luta da vida,
que me esmaga na semana,
só você, doce quimera,
na angústia cotidiana,
encontrá-la agora… Ah! eu quisera.
E quando a apatia me consome,
solerte, insidiosa e rasteira,
minha paixão tem um nome:
Benvinda sejas SEXTA-FEIRA!!

– – – – – — – – – – – – — — – – – – – – – –

Célio-SimõesDe Célio Simões, poeta amazônico nascido em Óbidos.

Leia também:
Poema para quem quer que seja, de Hamilton Fernandes.
Tempoesia, de Jota Ninos.
Soneto, de Luiz Ruas.
Breve tempo, de Alonso Rocha.
Ausência, de Felisbelo Jaguar Sussuarana.
Fios do tempo, de Jota Ninos.
Eu caçado, de Floriano Cunha.
Láudano, de Jota Ninos.
Tempos, de Floriano Cunha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *