Um leão por dia

Cada minuto que eu posso, estou mais vivo
A cada caça que eu perco, dou mais um tiro
Quando me vejo encurralado, resolvo, me viro
A cada neurônio que morre, a outros dois, eu ativo

A vida é feita de muitas lutas, desafios
É matar sempre um leão a cada dia
É fazer de todas as tristezas, alegria
É esquentar o sangue, não sentir calafrios

Se é pra lutar, pode vir que eu encaro
Não me entrego, assim, tão facilmente
Já lutei outras, tão duramente

Minha determinação é meu maior amparo
Não será desse jeito que serei derrotado
Sairei dessa batalha vitorioso, coroado.

– – – – – – – – – – – – – – – – –

FlorianoDe Floriano Cunha, poeta amazônico nascido em Santarém.

Leia também:
Minha cara, France Castro.
Manifesto, de Jota Ninos.
Casas destruídas em Abaetetuba, de João de Jesus Paes Loureiro.
Viver intensamente, de Floriano Cunha.
Soneto de um apelo, de Jota Ninos.
Retorno, de Neucivaldo Moreira.

  • 1
    Share

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Poetas amazônicos. Eu encaro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Jose Francisco Guimarães Corrêa disse:

    Por conta dessa, amanhã vamos comer umas costelinhas de porco acompanhadas de umas latinhas. Do meio dia pra tarde.

    Sebastião

  • Telma Amazonas disse:

    Minha determinação é meu maior amparo
    Não será desse jeito que serei derrotado
    Sairei dessa batalha vitorioso, coroado.

    Um forte abraço na alma. Só para reforçar…Eu te amo.