Irmãos herdaram 98% das cotas da rádio e TV Guarany; caçula deve dirigir a emissora
Paulo Serique, 59 anos, o caçula dos irmãos. O mais cotado para assumir a direção da emissora. Foto: Reprodução/Redes sociais

Os irmãos de Aparecida Serique Pereira, proprietária da rádio e TV Guarany, afiliada da Record em Santarém (PA), herdaram 98,75% das cotas da emissora. A empresária morreu de covid-19 há 10 dias, em hospital público em Itaituba.

Viúva de 67 anos, Maria Aparecida Serique Pereira não tinha filhos.

 

Conforme o Blog do Jeso revelou, a Rádio e Televisão Guarany de Santarém Ltda, criada em outubro de 1981, tem 3 sócios. A empresa foi aberta com capital social de R$ 160 mil. Desse total, R$ 158 mil pertencem ao espólio (herdeiros) de Aparecida Serique (98,75%) e o restante R$ 1 mil (0,625%) a Miza Cardoso Lima e R$ 1 mil (0,625%) a Matheus Sousa Serique.

Assim que a dona da emissora testou positivo para coronavírus, a gerência da empresa passou para Miza Lima, sobrinha de criação da viúva. Matheus Serique também é sobrinho, e mora em Belém.

O blog apurou que é consenso entre os herdeiros, no total de 6 irmãos – Carlos, Fátima, Elias (já falecido), Gilberto, Alberto e Paulo -, que a direção da Guarany deve ser entregue a uma pessoa experiente no ramo, com formação superior e que conheça e circule com desenvoltura no mercado publicitário local. Com esses pré-requisitos, Miza Lima estaria fora cogitação para assumir o comando.

A participação societária da Guarany, conforme contrato firmado na Jucepa

Paulo Serique, 59 anos, o caçula dos irmãos, é hoje o nome favorito da família para tocar a empresa. Ele já dirigiu os negócios da irmã, com êxito. A decisão será tomada em reunião em Belém, possivelmente após a cidade sair do lockdown. A maioria dos 6 herdeiros mora na capital paraense.

Irmãos: a herança

Líder de audiência no rádio por muitos anos, a Guarany experimenta um movimento consistente de ladeira abaixo que parece não ter fim. Entre as FMs da cidade, no total de 5 (Tapajós, Mix, Clube do Tapajós, Princesa e Guarany), é a única que não tem investido na qualidade do som e em profissionais da linha de frente.

Problemas de caixa, traduzidos em atrasos rotineiros no pagamento do salário de funcionários, e judiciais, com processos até de estelionato em tramitação, tingiram não só a boa imagem da emissora como também deram velocidade à sua trajetória decadente.

O baque mais recente – e vexatório – da empresa foi o seu despejo do imóvel que ocupava há mais de 30 anos na travessa Sete de Setembro, bairro de Santa Clara, por pagamento de aluguel.

Há poucas semanas, a gestão de Aparecida Serique embarcou noutra polêmica, ao transferir o escritório e torre da rádio e TV para o imóvel de sua família, na Barjonas de Miranda. Houve reação dos moradores no entorno contra a obra. O caso chegou a ser denunciado ao Ministério Público.

Sabedores da existência desses e outros problemas, os Serique pretendem interromper de imediato a queda livre da emissora, com escolha certeira de um profissional para dirigir a empresa. Se o caçula não topar, eles devem ir ao mercado em busca de um outro nome qualificado.


📹 Assine o canal do Blog do Jeso no Youtube, e assista a dezenas e dezenas de vídeos

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Irmãos herdaram 98% das cotas da rádio e TV Guarany; caçula deve dirigir a emissora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • adna.monteiro64@gmail.com disse:

    Para quem conheceu o início desta família no ramo da Comunicação é muito triste ver toda essa situação. A família pioneira inclusive parace não ter mais nada da empresa.

  • raymond disse:

    muito bom!