Ainda sem acordo a negociação entre patrões e empregados de rádio e televisão em Santarém.

radioOs patrões, no entanto, elevaram a proposta de reajuste salarial da categoria de 5% para 6,86%. O sindicato rechaçou.

Mas acenou positivo para a proposta intermediária feita pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), de 16,8%.

Hoje, um profissional da classe 1, a mais alta da categoria, ganha piso de R$ 685,02. É o caso dos repórteres e cinegrafistas. Pelo índice proposto pela classe patronal, o piso subiria para R$ 726,12; e pela do sindicato, para R$ 822,02.

O MTE propõe reajuste para R$ 800. Os patrões acenaram negativamente.

Abaixo as propostas de cada entidade envolvida na negociação e o salário pago hoje à categoria.

Classe

Proposta patronal (R$)

Proposta sindical (R$)

Proposta ministerial (R$)

Salário hoje

1

726,12

822,02

800,00

685,02

2

634,50

717,53

720,00

622,00

3

628,22

687,10

690,00

622,00

4

622,00

622,00

622,00

622,00

Leia também:
Jornalistas e patrões: sem acordo.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

14 Comentários em: Sindicato, rádios e TVs: acordo difícil

  • acho muito essa greve,só assim os empresarios,saibam a importancia desses profissionais nas sua categorias. esse aumento aumento ñ é nada,para o risco,e perigos e sem falar no sol quente em cima deles.meressiam ganhar muito mais.

  • jeso voce esta de parabens , nao imagina o quanto esta ajudando essa classe, realmente tu faz jornalismo com seriedade, sinceramente é uma vergonha para quem ganha um dinheiro desse , 822, 02 ainda sim se torna pouco, mas ja ajuda , estou falando como parte dessa classe que sofri.
    Fora amordaças que se sofre, nos expomos em situaçoes de risco, pessimas condiçoes de trabalho, nao se ganha hora extra, somos vendidos politicamente, vergonha para nossa classe que fica calada diante de tanta situaçao, continua expondo sim essas situaçoes ridiculas que acontecem, assino como pai de santo, se nao, amanha estarei fora e perderei meu emprego, mas é para esses patroes saberem que nao tem gente besta no meio.

    GREVE…GREVE…GREVE…GREVE…PORRA

  • O clima nas emissoras não é dos melhores. Nunca foi tão difícil chegar a um entendimento. O percentual que o sindicato pede é alto por causa das perdas durante anos e anos. Tudo por causa da falta de sensibilidade dos patrões em dar um reajuste digno para categoria. Hoje, tem gente que ganha mais porque acumula função, trabalha mais de 6 horas, tudo para ter um renda maior. Faturamento as emissoras tem, já que são sustentadas pelos comerciais.
    A classe quer melhores salários e melhores condições de trabalho também. As equipes que cobrem polícia, por exemplo, não tem se quer um colete a prova de bala. E vão em boca de fumo, em confronto de gangue e nenhuma segurança lhes é dada. A própria polícia diz que os repórteres e cinegrafistas se arriscam demais.
    Tem gente formada em comunicação social no mercado, pessoas que investiram na qualificação e que por tal merecem um salário melhor. Deixo um questionamento aqui: será que os patrões conseguiriam viver mensalmente com 685,00?

  • A PROFISSÃO DE JORNALISMO MERECE SER BEM REMUNERADA… NA REALIDADE DEMONSTRA FALTA DE VALORIZAÇÃO QUE A SOCIEDADE DÁ PARA PESSOAS QUE PASSARAM POR UMA FACULDADE…. ESSA CATEGORIA… TEM STATUS… MAS ISSO NAO PAGA CONTA…

  • Só isso! Estou tristemente surpreso com a minharia. Aqui em São Paulo uma faxineira ganha R$ 100 por dia. Não aceitem trabalhar por tão pouco. Valorizem-se.

  • É uma vergonha o salário, que um jornalista recebe. Não chega a mil reais, eu não acredito, que eles ganham menos, que um agente de limpeza pública, que o governo em Santarém, paga um salário mínimo, e ainda paga horas extras, e adicional de riscos. Fiquei pensativo, mas como pode gente alguns profissionais do rádio e televisão, que se acham por aí, quase nem pisam no chão, como algumas repórteres da Tv Tapajós. Aí eu me pergunto: Mas por que será que elas se comportam assim? Será que é ordem da empresa ou é prosisse mesmo?. Em vez, de vocês se comportarem dessa maneira, sabe era melhor que se unissem e lutassem pelos seus salários. Estou perplexo com essa notícia!.

  • Os empresários de Comunicação de Santarém deveriam se mancar. Será que vcs viviam com R$ 682,00??? Os filhos de vcs andam somente na pinta, como os filhos do Nivaldo, da Vanha. Vergonha o salário, vergonha, vergonha!!!

  • Senhor, Jeso, sou de Manaus (AM), trabalho em uma tv ak. Fiquei impressionado com o salário daí da cidade. Acho que é o menor do Brasil. Eu por exemplo, trabalho, como repórter, ganha por mês 4 mil e 950 reais ao mês. Trabalho cinco horas por dia, tenho horas extras e todos os benefícios. Os meus colegas também ganham nessa média. A copeira ganha mensal mil e 800. Olha, lutem porque com esse salário vocês poderão andar até nus, porque esse salário dá e mal para se alimentar. Vão em frente! Nosso repúdio pros empresáiros de comunicação.

  • Gente é inadimissível receber um salário assim… Em santarém, posso dizer com a mais alta certeza, que é um desrespeito com a classe. Onde já se viu pagar um profissional da comunicação dessa forma. Esse valor é o mais baixo que já vi. Nem no Paraguai, país mais pobre da América Latina se paga assim. Isso também se deve a atuação do sindicato. Os repórters não tem cobertura nenhuma. Ainda dizem que são defensores das causas na comunicação. Só que a imprensa santarena não está protegida. Quando passei por Santarém, ganhava bem. Mas acreditei que com a instalação do sindicato dos jornalistas na cidade essa realidade iria mudar. As empresas só querem lucrar e não olham para os funcionários. Elas acham que dando uma festa no fim do ano é o suficiente. O lucro delas é muito grande. As emissoras por exemplo, recebem altas cifras das redes. Dinheiro livre só para compensar os comerciais da grade. Os profissionais da imprensa de Santarém precisam deixar a vaidade de lado e se unirem em prol de uma causa unica e parar de criticar os colegas das outras emissoras. Falsidades devem ser deixadas de lado e lutar para o fortalecimento da profissão. E é preciso também dizer que a carga horária do jornalista é a unica prevista na CLT, art. 302 e 303. São apenas cinco horas diárias e não da forma que é feita atualmente. Amigos, o sindicato dos radialistas, não representam os jornalistas. Não entre na conversa que estão amparados. Vocês são profissionais distintos e a justiça garante isso. Então sejam fortes e lutem por seus direitos. Se quiserem continuar dessa forma, então é porque gostam e se submetem à essa situação.

  • O menor salário do país??? Não duvido nada. É vergonhoso mostrar pra todo mundo o que acontece, porém, talvez assim os patrões se envergonhem do que pagam para os profissionais da comunicação. É desumano alguém trabalhar mais de 6 horas pra ganhar um pouco mais. Pra eles, qto mais tempo a pessoa ficar na empresa é melhor pra eles, e hora extra que é bom não pagam. Até na toda poderosa tv tapajós a situação é assim ? Não acredito. Outro dia vi um repórter da emissora desidratado no centro da cidade, o pobre estava pingando de suor dentro do carro. Pelo menos já vi o rota e carro com ar, a guarany tem também. é o mínimo. Gente é hora de lutar mesmo. Não é uma guerra que se quer, é reconhecimento. 685,00 ou 4%,5% não. Quem é assalariado ganha mais do que o pessoal do vídeo? Pelo visto sim.

  • SERIO.
    “Fico conversando cá com meus botões”
    Escolhi a profissão por amor. Ainda estou galgando o meu alvo. Com 18, fazendo faculdade, pagando R$ 615,00 por mês, se não fosse o desejo insaciável de comunicar à população e abrir os olhos dos incautos, com certeza, faria algo que desse dinheiro, tipo medicina, engenharia, direito.

    A profissão que você lida com o publico, e eu, sinceramente, penso nas camadas mais baixas da sociedade. Não pensão naqueles que detém poder aquisitivo não. Mas naqueles que não tem quem brigue por eles.com certo saudosismo – jornalistas do tempo da ditadura, que brigavam se fosse necessário com os “poderosos” para cobrar mudanças – e que eram mortos por isso. Pena que hoje, muitos, não por culpa sua, mas por não ter outra opção, ficam a mercê dos veículos que pagam, e mal.

    Hoje pagamos caro para exercer a profissão com ética. Pagamos R$ 29.520 em faculdade em Santarém -Fora gastos adicionais- para adiquirirmos now how para fazermos com qualidade nosso trabalho. Para chegarmos em empresas privadas. Termos que ser podados à linhas editoriais. Mascararmos, sim ocultamos algumas verdades- infelizmente. E ganharmos esse absurdo.

    Depois alguns falam mal quando migra-se para assessoria, ou para outras cidades que valorizem a profissão. É triste, e revoltante… a muito a falar, mas ainda hoje, mesmo com essa tal liberdade de expressão, somos presos. Com a falsa aparência de sermos livres.

    • É pur causa de testos como essi que o Salario dos “jornalistas” é baicho desse geito. kkkkkkkk

  • Isso é uma vergonhaaa….. Jeso quando vai iniciar essa greve??? Os repórteres, cinegrafistas e locutores das TVs e Rádio Tapajós, Ponta Negra, Guarany. Record News, Amazônia e RBA já se organizaram? Estão estimulados nessa luta que é uma Causa Justa?

    O medo de ser demitido não pode ser maior que luta por seus direitos! Chegou a hora…..

    Greve já!

  • As empresas de comunicação vivem a criticar os erros dos outros no legítimo exercício do Jornalismo, mas estão cheias de problemas: exploram seus empregados; valorizam mais as máquinas que as pessoas; atrasam impostos; e têm relações duvidosas com o poder.

Deixe uma resposta