Novo porto de Juruti será concluído em 2016

juruti

A Consutec (Consultoria & Tecnologia) enfim assinou o contrato com o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte), para elaboração do projeto e execução das obras dos novos portos (pequeno porte) de Oriximiná e Juruti.

A empresa, a contar de hoje (14), tem prazo de 540 dias para entregar o serviço – ou seja, até fevereiro de 2016.

Os dois portos estão orçados quase 14 milhões de reais.

Leia também:
Prefeito tenta calar um de seus únicos críticos.
Alcoa apoia capacitação sobre criação de peixes.

MPF reúne hoje com provedores de internet

Internet - Blog do JesoO MPF (Ministério Público Federal) reúne hoje com proprietários de empresas de serviço de acesso à internet em Santarém, para discutir os motivos das constantes interrupções no fornecimento do serviço.

A Embratel e a Eletronorte, responsável pela rede de fibra ótica que transporta os sinais de internet, também foram convidadas para reunião, a ser realizada na tarde de hoje (6) na sede local do MPF.

Leia também:
Kasinski fecha fábrica e demite 500 em Manaus.

Foto do dia. Dilma visita pela 1ª vez as obras de Belo Monte

Foto: Ichiro Guerra/Fotos Públicas
14815061726_62b9c6bcd6_o

A presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) esteve hoje em visita às obras da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, em Altamira (Pará). Foi a primeira vez que ela visitou o canteiro de obras, iniciadas em 2011 e que forma o maior projeto de infraestrutura do país. Mais informações, neste link.

Leia também:
Se Dilma ganhar, a economia vai piorar, diz Santander.

Idesp divulga relatório sobre a região do Tapajós

Cachoeira
O Idesp (Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará) disponibilizou em sua página da internet relatório técnico sobre a Região de Integração Tapajós, palco atual de grandes projetos nacionais de infraestrutura energética e de transporte.

Entre esses projetos, hidrelétricas – entre elas São Luiz do Tapajós e Jatobá, já com estudos de impactos ambientais em fase de conclusão –, Estações de Transbordo de Cargas (ETC) e asfaltamento da BR-163 (Cuiabá-Santarém).

Leia também:
Secretaria de Portos autoriza Hidrovias do Brasil em Itaituba.

Objetiva-se com isso subsidiar os debates a cerca da atual dinâmica territorial da região.

O documento chama a atenção para o fato de que a implantação de grandes projetos de investimentos, em regiões periféricas, transformam profundamente as formas de uso e ocupação do território, o modo de vida das populações locais.

O aporte demográfico, o sistema de povoamento e a rede de cidades rompe, em certo sentido, com os circuitos de acumulação e de desenvolvimento historicamente construídos, redefinindo a realidade regional.

Leia mais em Idesp divulga relatório técnico sobre a Região de Integração do Tapajós.

Foto: Cachoeira São Luiz, rio Tapajós

Vídeo. Por que a China vai construir uma ferrovia no PA

O que há por trás do interesse da China em construir uma ferrovia no Brasil, ligando o Mato Grosso ao Pará, com saída pelo Porto de Barcarena?

Em um post didático, com a inclusão de um vídeo, o blogueiro Paulo Henrique Amorim (Conversa Afiada) explica esse empreendimento bilionário, que também desperta o interesse da Rússia.

Abaixo, o vídeo, feito por agência estatal russa de notícias.

Neste link, a íntegra do post.

Protocolo entre Brasil e China prevê ferrovia no Pará

ferrovias_valec

Coluna Painel, da Folha de S. Paulo, hoje (16):

Dilma e o presidente da China, Xi Jinping, assinam amanhã um protocolo milionário na área de infraestrutura.

Os chineses querem investir na construção de ferrovia que ligará Mato Grosso ao Pará, com saída pelo porto de Barcarena.

O governo considera o porto paraense um ponto estratégico de escoamento da produção de soja do Norte do país.

Casas de reserva no Xingu vão ter placas de energia solar

Com o apoio do escritório da Emater em Porto de Moz, no Xingu, 100 famílias da reserva extrativista Verde Para Sempre passarão a ter, até o final do ano, energia ininterrupta em suas propriedades, a partir de um sistema de captação por placas solares.

Com a instalação e mais o recebimento de freezeres, os ribeirinhos das margens dos rios Jaurucu, Aquiqui, Uiuí, Acaraí e Guajará não só viverão com mais conforto e qualidade, como impulsionarão suas principais atividades rurais: a produção de muçarela de búfala e a pesca artesanal.

Placa solar

Exemplo de placa solar fixada em uma residência. Foto: Edson Grandisoli

“De imediato, por exemplo, podemos prever um aumento de pelo menos 30% na produção de queijo de cada família, que hoje gira em torno de 80 a 140 quilos por semana. Isso se dará com a capacidade de armazenamento refrigerado, o que vai beneficiar também o pescado”, explica o chefe interino do escritório local da Emater, o técnico em agropecuária José Morais.

Quase todos esses extrativistas nunca puderam usufruir de eletricidade em suas casas. Alguns possuem geradores, mas a capacidade não ultrapassa três horas. De acordo com a Emater, mesmo em época de chuvas, será possível garantir uma captação razoável, porque cinco horas de sol já seriam suficientes para abastecer um dia inteiro.

(mais…)

TCU trava arrendamento de portos do Pará

Transatlântico (Santarém - PA)

Porto de Santarém: arrendamentos parados. Foto: Celivaldo Carneiro

O TCU (Tribunal de Contas da União) travou, mais uma vez, o processo de concessão de arrendamentos nos Portos de Santos e do Pará.

O ministro Raimundo Carreiro decidiu pedir vista do caso após a leitura do voto do relator, Aroldo Cedraz, favorável à liberação dos estudos.

Leia também:
Agência da Receita em Novo Progresso é estratégica, diz contadora.

O pedido de Carreiro surpreendeu o plenário, pois ocorreu no momento da votação do relatório, quando tudo indicava que o processo seria liberado.

Mais uma vez, o governo não poderá leiloar as áreas. O prazo regimental para que o caso volte ao plenário é de duas sessões, mas ele poderá ser analisado antes ou depois disso.

O processo envolvendo os arrendamentos – em Santos, Belém, Santarém, Vila do Conde e Terminais de Outeiro e Miramar – entrou na pauta do TCU em dezembro.

Leia mais em TCU suspende processo de concessão em Santos e no Pará.

Fonte: Portal Holanda

Banpará bate meta e planeja presença em 100 cidades

Jorge Peixe AntunesO Banpará (Banco do Estado do Pará) bateu a própria meta, que previa inicialmente a presença em 78 dos 144 municípios paraenses até o fim de 2014.

A nova perspectiva é que o banco esteja presente em 100 municípios paraenses até o fim do ano. Este alcance representa um crescimento de 75% no número de cidades atendidas desde 2011.

“Em 2011, atuávamos em 57 municípios. Foi justamente quando iniciamos o nosso plano de expansão. A meta era chegar a 78 cidades, meta que já foi superada. Esse trabalho é muito importante, pois no interior chegamos a lugares que não têm nenhum banco”, explica o santareno diretor de Crédito e Fomento do Banpará, Jorge Antunes (foto).

Antes de abrir uma nova agência, a superintendência de planejamento e orçamento do banco faz uma avaliação para medir os números de empregos, Produto Interno Bruto (PIB) e empreendimentos instalados, mas, independente disso, o Banpará também assume o papel de incentivador da economia.

Leia mais em Banpará estará em 100 municípios paraenses até o fim do ano.

Fonte: Agência Pará

Leia também:
Apadrinhada por multiprocessado é exonerada da Sagri
.

Obras da usina de Belo Monte em fase final

Belo Monte. Foto Estadão

O enorme canal que vai ligar o Rio Xingu ao reservatório intermediário da hidrelétrica de Belo Monte [foto] começa a ganhar formas e mudar a paisagem local.

Os 20 quilômetros de extensão da obra já foram abertos e estão em estágios diferenciados de trabalho.

Por enquanto, apenas 1 km está concluído. Outros estão em fase de revestimento do leito e taludes do canal ou na etapa de aprofundamento do terreno.

A expectativa é concluir todo o trabalho até o fim do ano. Mas a meta não será uma tarefa fácil de cumprir, especialmente com o histórico de paralisações desde o início das obras da hidrelétrica.

Além disso, parece um trabalho sem fim. A construção do canal, que na prática é um rio artificial construído no meio da Amazônia para desviar a água do Xingu, exige a escavação de 110,8 milhões de m³ de rocha e solo – volume equivalente ao Canal do Panamá.

Todo esse material encheria 5 milhões de caminhões basculantes.

Hoje 1.400 máquinas, tratores e caminhões trabalham freneticamente para cumprir os prazos do canal, que terá 25 metros de profundidade, 210 metros de largura na base e 360 metros na superfície.

(mais…)

Página 1 de 5612345...Última »
css.php