mineração no ParáExtração de minério no Pará. Foto – arquivo/Blog do Jeso

 
Oportuna pensata do geólogo Jubal Cabral Filho, espetada no blog Agonia ou Êxtase, sobre o setor da mineração no Pará:

Recentemente os estados do Mato Grosso e Minas Gerais promoveram programas para alavancar a mineração em seus estados.

Jubal, geólogo

Em Mato Grosso, foram lançadas as ferramentas: o Pró-Mineração e o Investe Mineração. O esboço do Pró-Mineração está calcado em três eixos: legislação, meio ambiente e enquadramento as normas do DNPM.

O Investe Mineração tem o objetivo de promover o desenvolvimento industrial e a agregação de valor às matérias primas da cadeia produtiva da mineração.

Em Minas Gerais, foi lançado a Plataforma Mineração 4.0, uma iniciativa que visa unir empresários, investidores e especialistas do setor minerário em Minas Gerais.

E nós, no Pará, lançamos o quê para incentivar a mineração?

Nossos garimpos (na região Oeste) ainda utilizam as tecnologias da corrida do ouro na Califórnia e as empresas não são incentivadas a desenvolver pesquisa minerais, em virtude do forte “bloqueio ambiental” que se formou nesta região.

Vamos acordar!

Leia também
8 comunidades quilombolas de Oriximiná recebem serviço de internet da MRN

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Geólogo pede que o Pará, diferente de MT e MG, ‘acorde’ para mineração

  • mineração pra quem? para grandes empresas e não deixar nada pra região só os buracos? (mariana-MG que o diga) Ou pra dar emprego pra uma pequena parcela de geólogos e técnicos?
    Vamos acordar Pará somos o maior produtor de minério e não ficamos com um centavo aqui graças a Lei Kandir. Se o minério é do Pará que sirva ao povo do Pará e não a empresas estrangeiras. Ganhar migalhas pra vender o que é nosso nunca foi e nunca será o modelo correto de produção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *