Celson LimaA Ufopa (Universidade Federal do Oeste do Pará) acaba de aprovar a realização, em Santarém, de um novo mestrado interinstitucional. Desta vez com a gaúcha UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

O curso será na área de Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais.

Outro gol de placa marcado pela Ufopa, via  IEG (Instituto de Engenharia e Geociências)/Ufopa, comandado pelo professor pós-doutor Celson Lima (foto) foi aprovar proposta junto ao PET (Programa de Educação Tutorial)/2012, do MEC (Ministério da Educação), no lote das engenharias. Serão financiadas 31 propostas em todos o país.

A proposta do IEG alcançou nota 85.71, à frente de instituições federais de peso, como a de Campina Grande, Paraíba, Rio, USP, entre outras.

Leia também:
Evento vai debater saúde indígena da região.

  • 8
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

25 Comentários em: Ufopa fecha mestrado com federal gaúcha

  • UFOPA – Universidade Fomentada Para Atender a Demanda das Multinacionais

    • Espero mesmo que assim seja, Lindeuza. Se a Universidade realmente estiver inserida neste contexto, terei emprego daqui a 2 anos.

      • Pelo visto e interpretado, pouco lhe importa as degradações e impactos que essas empresas causam em nossa região.

        • Não adianta discutir, Lindeuza. A trinca Seixas Lourenço-Aquino-Dóris está formando alienados, que só pensam no tal do IDA.

        • Concordo!!

          Vamos todos fugir desse mundo capitalista e voltar a viver em plena harmonia com a natureza.

          Onde não há mal e diferenças sociais. Um mundo mais harmonioso, sem carros que poluem, casas chiques e luxuosas, ar condicionados que causam o efeito estufa, energia que desmata nossas florestas, internet que aliena nossas mentes, supermercados que induzem o homem a viver sedentário, sem precisar produzir sua própria comida…

          Vamos expulsar essas empresas multinacionais que comandam o mundo manipulando nossas mentes e escravizando nossas vidas!!

          • Nossa, você é tão engraçado!

          • É isso mesmo, vamos matar todos os homens brancos e voltar pro tempo antes da colonização!! Aliás, vamos aniquilar todos os seres humanos e deixar a Terra só pra natureza e para os animais, afinal nós somos o vírus que destrói o planeta!!!

        • Claro que importa! Vamos estuda- las, minimiza- las….Não dá pra fingir que não existe, precisamos de- las, queira vc ou não!!!

  • Parabéns ao professor pós doutor.

  • Caro Jeso, não existe o título Professor “Pós-doutor”. O doutorado é último marco na formação acadêmica docente.

    • Dei uma informação, que ele pós-doutor. Portanto, não há erro algum na postagem.

      • Jeso, o que o UFOPense quis dizer é que pós-doutorado não é titulação, mas um estágio científico que o doutor faz após ter adquirido seu título. Portanto, não faz sentido chamar alguém de professor pós-doutor. Aliás, essa mania de chamar as pessoas de “Prof. Dr.” é um deslumbramento bobo, coisa provinciana. Todos somos professores e ponto final. Alguns com graduação, outros com mestrado ou com doutorado.

        • Parece que não tens ideia do sacrifcio, casos terríveis, que se faz para tirar qualquer título desse para tratar por coisa banal, só graduação em pública se submete-se até a casos de pura humilhação humana. E a parte maior em tudo é exatamente pós-doc quando se é obragido a apresentar algum trabalho originalíssimo.

    • Existe o programa e titula do mesmo jeito. O que ocorre é que a atual carreira docente não contempla isso, porquanto, não acresce remunareção, supondo que a bolsa de pesquisa faz isso. Entretanto, o MEC quer acabar com o mestado e introduzir o pós na carreira. Coisa que transita nos corredores do MEC e de algumas públicas, nada ainda para a galera em geral,

      ========

      http://www.capes.gov.br/bolsas/bolsas-no-pais/2190

  • Santarém so tem a ganhar!!!! Paabéns!!!!

  • Celsão,

    Parabéns pela conquista e sucesso na tua caminhada acadêmica, meu irmão. És para mim motivo de orgulho e uma referência de caráter e ética.

    Beijos no teu coração, meu irmão.

    Samuca

  • Por será que ainda não temos um mestrado na área de educação nesse estilo de interinstitucional? A área de educação pelo tempo que já tem em Santarém já deveria ter pelo menos dois mestrados em educação!!!!!!! O que tá acontecendo ufopa??????

  • Mano Jeso,

    Gostaria de citar as pessoas que estiveram fortemente e seriamente envolvidas na aprovação do nosso projeto PET: Professores José Roberto Branco, Paula Renatha, Fernanda Nascimento e Deize Carneiro, além do técnico em assuntos educacionais, Rui Mayer. São pessoas que fazem a diferença por acharem que podem contribuir para o desenvolvimento da região.

    O PET é um projeto de 3 anos que apoiará o desenvolvimento de projetos de extensão voltados para a comunidade da região. Todos tem a ganhar com isso.

    Aqui um trecho da proposta aprovada:
    “As atividades propostas pelo PET para membros e alunos de graduação poderão ser certificadas e utilizadas nos bacharelados interdisciplinares e nos cursos específicos, como parte das atividades eletivas obrigatórias, estimulando o contato dos alunos com o PET. Além destas ações, o PET permitirá aos seus integrantes que tenham acesso a tecnologias, muitas das quais indisponíveis no mercado local, a preço de custo, bem como a metodologias que possibilitarão a criação de projetos que contribuam para a inovação ou para encontrar novas aplicações para as tecnologias existentes. Será também papel do PET proporcionar a inserção dos seus integrantes em projetos de pesquisa, inclusive em áreas afins, para que o aluno possa consolidar seus conhecimentos em temas específicos levando, em geral, à apresentação de trabalhos técnico-científicos em eventos e à publicação em revistas científicas.”

    Na aprovação do MINTER os créditos todos são da equipe do Professor Marcos Ximenes.

    Grande abraço e obrigado pelo apoio,
    C.

  • Caro Professor Celson,

    Espero que não se abale com as mensagens de pessoas que invejam o crescimento da UFOPA. Parabéns pelo empenho e espero que consiga aprovar mais projetos para engrandecer a formação intelectual e econômica da região. Há pouco tempo, obtive o grau de mestre e com certeza, se tivesse um mestrado nessa linha, não sairia de Santarém para cursar a pós-graduação.
    Parabéns Jeso pela informação.

    • André, bom dia.

      Sou santareno de nascimento, alma e coração. Voltei pra cá por opção, a fim de dar meu contributo para o crescimento da nossa região. E é o que pretendo fazer até o fim dos meus dias ou até o fim dos tempos, o que acontecer primeiro.

      Obrigado pelo apoio e se quiseres avançar para o próximo estágio da carreira acadêmica, já temos o nosso programa de doutorado em funcionamento. Primeira turma já selecionada e a expectativa é, dentro de 4 anos, termos o orgulho de formar o primeiro doutor do oeste do Pará, o que para muitos não é nada, mas para quem já teve que dar quase que a volta ao mundo atrás de formação superior, isso representa uma grande conquista.

      Abraço,
      Celson Lima

  • A USP é quem mais titula em doutor do mundo e o Brasil um dos maiores produtores de doutor. Porquanto, isso é coisa que toda universidade do Brasil sabe fazer e com os pés nas costas. O que não apareceu ainda foi nenhuma que saiba formar docente para rede básica como um mínimo de qualidade e pior: não há como aparecer tão cedo. Pois, a maioria nasceu de enganação tal qual Parfor e pau depois de crescido torto nem plaina consegue esconder toda tortosidade.

    ==========
    Estatísticas científicas alarmantes, artigo de Nagib Nassar

    http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=84791

    • Amigo,

      A universidade sabe é dar o título com os pés nas costas! A verdade é que a maioria absoluta dos doutores brasileiros não merecem o título que ostentam. O que tem de analfabeto funcional com título de doutor, não é brincadeira! O governo federal tem priorizado quantidade em detrimento à qualidade (dez mil por ano!). Por isso é que se vê tanto doutor improdutivo, que não sabe concatenar um raciocínio e nem dar aula por aí…

  • Enquanto isso os alunos que saíram do CFI 1 em 2012 estão sem lugar para estudar( sem laboratórios e salas), as aulas da Formação 2 (2º período) que eram para começar em novembro vão começar em em JANEIRO de 2013. Isso é uma vergonha! Por outro lado a Diretoria e a Reitoria fica se gabando das muitas vagas oferecidas no vestibular, dos mestrados e doutorados da instituição, sendo que não tem infraestrutura para absorver esses estudantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *